Arte Pop nas Histórias em Quadrinhos

A Art Pop foi levada às histórias em quadrinho pelo artista norte-americano Roy Lichtenstein. Adotando-as como tema, através da paródia, criticou a cultura de massa, o consumismo e a economia doméstica.


Roy Lichtenstein em frente de sua obra Wham!


Um pouco sobre o artista

Roy Lichtenstein nasceu em Manhattan, em um família de classe média. Interessou-se primeiro por arte e design como hobby e era um apaixonado pelo Jazz. Muitas vezes o artista desenhou os músicos e assistiu a shows no Harlem (centro cultural e comercial dos afro-americanos). Acabou decidindo-se pelo curso de artes plásticas, que cursou na Universidade Estadual de Ohio.

Trilhou o caminho das artes, primeiro, pelo cubismo e expressionismo, depois adotou o expressionismo abstrato. Foi só em uma terceira fase de sua carreira que abraçou a Art Pop.

Lichtenstein foi fortemente influenciado por dois professores: Hoyt L. Sherman, que insistia que o ato de representação deve ser separado da experiência cotidiana e considerado apenas por suas qualidades formais, como uma “abstração”; e, Allan Kaprow, que reacendeu no aluno o interesse em imagens neo-dadaistas, ou protopop.

Em 1961, o artista iniciou-se na Art Pop, usando imagens de desenhos animados e propagandas, em técnicas derivadas da aparência de impressão comercial. Essa fase do artista dura até 1965.


Roy Lichtenstein (1923-1997)
Art Pop – Histórias em quadrinho


O uso das histórias em quadrinho por Lichtenstein

Para levar a Art Pop às histórias em quadrinho, Lichtenstein usou de uma técnica denominada “Ben-Day dots”, um processo de impressão de pontos que, através do sombreamento, cria uma textura tonal. A técnica se assemelha ao pontilhismo.

O primeiro trabalho de Lichtenstein foi um “look” do Mickey Mouse. Curiosamente, a proposta para o trabalho veio de um de seus filhos, que desafiou o artista a pintar uma imagem tão boa quanto a do famoso ratinho de Walt Disney.

Os trabalhos mais conhecidos do pintor são Drowning Girl (1963), baseado na revista produzida pela DC Comics Secret Hearts # 83, e Whaam! (1963), também baseado na revista produzida pela DC, All American-Men of War.

Em 1965, Lichtenstein praticamente abandonou seus trabalhos com quadrinhos. Ocasionalmente, ele os utilizou em seus trabalhos, mas de formas diferentes.



A crítica às reproduções das histórias em quadrinho de Lichtenstein

Alguns críticos entendem que a obra de Lichtenstein com as histórias em quadrinho não passa de cópia de painéis originalmente desenhados por outros artistas, como Kirby, Russ Heath , Abruzzo Tony, Irv Novick e Grandenetti Jerry, que trabalhavam diretamente com a mídia.

Outra crítica que o artista sofre, refere-se à ausência de qualquer crédito aos desenhistas originais. Há quem diga que “Lichtenstein não fez pelos quadrinhos nada mais, nada menos, que Andy Wharol fez para a sopa Campbells”.

As bases para a defesa do artista ficam por conta das alterações feitas às obras originais, como escala, tratamento, cores e, até mesmo, conceito.


O retorno aos quadrinhos

Os quadrinhos retornaram à vida e obra do artista nos anos 70. Desta época, novo “look” do Mickey (1973), que incorpora outros trabalhos anteriores, é dos notáveis exemplos. É também deste período Pow Wow (1979).

Outras obras

Em 1977, Lichtenstein participou da terceira etapa do BMW Art Car Projectquando pintou cinco versões do carro de corrida BMW 320i. O artista também trabalhou com esculturas em metal e plástico.

A Art Pop, no século 21, continua a influenciar e encantar. Os leilões dos últimos anos confirmam: a Art Pop ainda tem grande valor no mercado de arte. Ainda mexe com o imaginário, ainda encanta colecionadores e leigos.


Mickey (1961)

Menina com bola (1961)

Washing machine (1961)
Máquina de lavar roupa


Blam (1962)

Conversa (1962)

Drowning Girl (1963)
Menina se afogando


Secret Hearts # 83 (1963)
História em quadrinho base para a obra Drowning Girl

Whaam (1963)

Eu sei como você deve sentir Brad (1963)

Mulher no banho (1963)

Bola de barbante (1963)

Bread and Jam (1963)
Pão e geléia (lápis de grafite)

Thinking of Him (1963)
Pensando nele

Beijo V (1964)

Grrrrrrrr (1965)

Shipboard Girl (1965)
Menina de bordo


Girl with Hair Ribbon (1965)
Menina com fita no cabelo

Reverie from 11 Pop artists v. 2 (1966)
Devaneios de 11 artistas Pop v. 2
Uma de uma série de serigrafias de 11 artistas Pop
MarGGa Duval
Fonte: http://mol-tagge.blogspot.com/2011/03/art-pop-historias-em-quadrinho.html

1 comentários:

  1. lolo disse...:

    Ai gostei muito do blog ;P

Postar um comentário

 
ACUNHA © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, templates para blogspot, and jogos para pc